Colômbia, a esmeralda latina

Meu primeiro dia como pesquisador de campo em solo latino-americano  foi em Bogotá – uma cidade já conhecida por mim que deixou memoráveis lembranças, agora resgatadas. O clima sempre ameno dá as boas vindas. O sorriso colombiano, as curiosidades do taxista e o colorido das ruas indicam que você chegou ao país de Shakira, Gabriel García Márquez e Fernando Botero. O propósito da investigação, que percorrerá outros países, é conhecer a realidade de estudantes universitários estrangeiros, em especial no quesito “acolhimento institucional”. Ademais, verificar-se-á qual é a estrutura e organização das instituições de ensino superior e como as universidades recebem os estudantes em mobilidade acadêmica.

Em visita ao campus sede da Universidad Nacional de Colombia, deparei-me com uma arquitetura interessante e conectada ao ambiente universitário. Fui até a biblioteca central e constatei que, às 8h20min todos os espaços de estudo estavam ocupados. A estrutura física do campus, que é visivelmente grande, conta com vários edifícios, praças, restaurantes e barracas comerciais improvisadas. Contudo, despertou-me atenção a poluição visual manifesta em edifícios e muros. São dezenas de cartazes e pichações de cunho político que compõem o ambiente e integram o horizonte do campus. Um grupo de três universitários respondeu-me que, apesar de muitas intervenções, apenas uma minoria de estudantes é responsável pelos ideais revolucionários, sobretudo comunistas e “anti-imperialistas”. Ainda, afirmou, em voz uníssona, que grupos de manifestantes, geralmente uma vez por semestre, realizam protestos que paralisam as atividades acadêmicas do campus, suspendendo as aulas. Esse breve relato é relevante para que saibamos qual é o ambiente frequentando pelos estudantes estrangeiros – desconhecedores da cultura universitária de uma instituição pública de ensino superior em Colômbia.

O primeiro contato com um estudante estrangeiro deu-se logo no primeiro dia. Trata-se do recepcionista do alojamento onde fiquei hospedado: um estudante brasileiro que complementa sua renda mensal trabalhando na informalidade. Logo que soube do meu propósito, prontamente respondeu a algumas perguntas sobre a experiência vivida em Colômbia. Indagado sobre o motivo que o levou a mudar de país, afirmou que seu objetivo era realizar um curso de pós-graduação (especialização) em negócios internacionais fora do Brasil. O entrevistado está há um ano em solo colombiano. Primeiro, chegou a Medellín, onde permaneceu por aproximadamente um mês; mas, por questões pessoais, retornou ao Brasil. Após um ano e meio, decidiu regressar à Colômbia, instalando-se em sua capital, Bogotá. Sobre o acolhimento dos colegas em sala de aula e como se sentiu recebido, ressaltou que não é o único estrangeiro, pois há colegas de outros países que também integram a turma (p.e. Noruega e China). O contato com pessoas de todo o mundo, algo não esperado por ele, tornou a experiência internacional engrandecedora. Disse que se sente bem acolhido pelos colombianos, “um povo alegre e aberto”. Contudo, frisou que “quando algum estrangeiro tenta uma colocação profissional, ainda que tenha um bom currículo e seja proveniente de uma boa universidade, sempre os colombianos terão preferência na vaga”. Dessa forma, empregou-se num hostel, o que lhe proporciona maior contato com estrangeiros que viajam ao país. Sobre como avalia a experiência fora do seu país, confessou que aprecia muito a Colômbia e a sua gente. A cultura, a música e as pessoas tornam a convivência rica e satisfatória. Neste sentido, prefere a Colômbia ao Brasil.

Bogotá

Corroborando o relato desse estudante brasileiro, durante os sete dias hospedado em seu alojamento local, tive contato pessoal com hóspedes dos seguintes países: Espanha, Itália, França, Alemanha, Israel, China, Estados Unidos, Austrália e Brasil, além dos que não mantive qualquer comunicação, portanto desconheci a origem nacional. A experiência multicultural é nítida. Conversas sobre assuntos diversos, desde política italiana a café colombiano, a troca de informações e a comunicação com pessoas de distintas partes do mundo, além da rica experiência cultural, proporcionam uma incursão etnográfica que amplia a visão de mundo e confronta o senso comum com discursos legítimos sobre a realidade alheia.

As várias notas obtidas por meio de visitas a instituições de ensino superior, entrevistas e observações são suficientes para concluir que a Colômbia, com aproximadamente 50 milhões de habitantes, é um país que se abre para o mundo e para a academia. Como ocorre em outros países em desenvolvimento, é nítida a mobilização, tanto do setor público quanto  privado, para impulsionar o intercâmbio de saberes e experiências universitárias. 

Estudantes brasileiros em Portugal debatem sobre a violência no Brasil

Alguns estudantes internacionais da Universidade de Évora, Portugal, sobretudo brasileiros, reuniram-se voluntariamente, em março de 2018, para debater o tema: violência no Brasil. Após duas horas de diálogo intenso, em que ideias, experiências e impressões foram compartilhadas, foi realizado um ato de homenagem às pessoas vítimas de violência no país latino-americano.

O significativo número  de estudantes que compareceu ao edifício da Sociedade Harmonia Eborense para o encontro, revela a pertinência e relevância do debate acerca dos Direitos Humanos. Ademais, o fato de brasileiros residentes em Portugal participarem de um debate dessa natureza, indica que há interesse em questões sociais e nacionais de estudantes em mobilidade mesmo estando fora de seu país de origem.  Isso pode revelar quão importante é a experiência internacional de jovens estudantes. Fora do ambiente de aconchego e segurança do local de residência, a percepção da realidade, do próprio percurso e experiência de vida e, até mesmo, do nosso país pode ser outra, de um modo mais holístico, com mais patriotismo. Foi um evento marcante e produtivo!

Antes de iniciar o debate, cerca de 40 pessoas responderam a um questionário fechado. Os resultados obtidos revelam que:

82% deixaram de fazer algo por causa da violência

65% deixaram de aceitar emprego ou curso por ser perigoso voltar de noite para casa

35% mudaram de endereço por causa da violência

66% ouviram barulho de tiro em algum momento

37% foram assaltados por um sujeito armado

55% tiveram algum familiar (ou amigo próximo) assassinado por arma de fogo

Os dados são preocupantes, principalmente porque a maioria dos respondentes são estudantes universitários (minoria entre os jovens brasileiros) que cursam um período dos estudos em outro país, por meio de um programa de mobilidade acadêmica (minoria da minoria!).

Observar esses estudantes refletirem sobre o tema da violência urbana no Brasil foi impactante, ainda que se perceba algum enviesamento ideológico ou partidário por parte de alguns. Afinal, não é a política, com suas ideologias e ideologismos, que deve influenciar a academia; ao contrário, é a academia, de espírito livre e imparcial, que deve influenciar a política.

Obs. O Evento foi organizado pela Erasmus Student Network – Évora

Madrid, a capital do mundo hispânico

Uma das maiores cidades do continente europeu, Madrid é uma referência acadêmica para estudantes latino-americanos. A relação entre a Espanha e os 20 países que oficialmente falam o idioma espanhol ainda é constante no mundo pós-moderno. Certamente, a grande maioria de nativos deste idioma, dentre aproximadamente 500 milhões de pessoas, considera Madrid não apenas como a capital de um antigo reino colonizador, mas a capital primeiro-mundista da comunidade hispanofônica. A milenar cidade é o principal destino para quase 100 mil estudantes estrangeiros que desembarcam no país europeu todos os anos. Mas o que esperar de Madrid e qual é o seu cenário acadêmico?

De acordo com a CRUE Universidades Españolas (2017), a Espanha vive o crescimento de universidades privadas e a oferta alargada de cursos não presenciais, alinhando-se à nova tendência mercadológica ocidental. Entretanto, continua com índices abaixo da média da OCDE no quesito escolaridade de jovens adultos. Tem mais estudantes universitários do sexo feminino e os cursos com maior número de matriculados são de administração e direção de empresas, direito e psicologia. Em relação ao número de matrículas e de participação em programas de mobilidade, como o Erasmus, o país tem se posicionado como um dos principais destinos para estudantes estrangeiros no continente europeu. Dentre os estudantes estrangeiros de cursos de graduação em universidades espanholas no ano curricular 2015/2016, cerca de 25% são provenientes do continente americano, face aos 52% de europeus.

Analisando o aspecto cultural e social, Madrid, assim como toda a Espanha, encanta pela sua cultura, natureza e história. É uma cidade viva, dinâmica e que proporciona aos seus residentes e turistas eventos culturais durante todo o ano. Minha visita de campo ocorreu em maio de 2018 e teve como finalidade conhecer a realidade de estudantes estrangeiros na cidade, sobretudo latino-americanos e portugueses.

Dentre as várias manifestações culturais e políticas ocorridas na cidade durante a visita, incluindo grupos musicais tradicionais, festejos desportivos, protestos contra touradas, pró-veganismo, ou de crítica à política de aposentadoria e benefícios, entre outros, uma merece destaque: nicaraguenses manifestavam-se em praça pública contra o governo estabelecido no país centro-americano. Estudantes universitários daquele país, que participavam do ato, foram indagados acerca do motivo da mobilização popular. Convictos, afirmaram que a vida em Espanha permite uma maior liberdade de expressão e de manifestação do pensamento político, o que não ocorre em Nicarágua. Dadas as circunstâncias políticas do país de origem, restou a este grupo a mobilização no estrangeiro, o que permite a realização do ato que tem como finalidade o encaminhamento de vídeos e imagens a parentes e familiares, que poderão, com cautela, compartilhar com seus compatriotas. Trata-se de uma tentativa de influenciar, ainda que à distância, aquele cenário político. Este é o real sentido e valor de um intercâmbio estudantil.

Viver um período de estudo em Espanha, sobretudo em Madrid, é sentir a energia do povo latino de forma viva e constante. A cidade é tão acolhedora quanto grande. Os mais de seis milhões de habitantes que vivem em sua região metropolitana são responsáveis por tornar o centro urbano cosmopolita, movimentado e diversificado. Sua grandiosa cidade universitária, que hospeda diversos cursos da Universidad Complutense de Madrid e Universidad Politécnica de Madrid, dentre outras, tornam a experiência ainda mais intensa ao mergulhar o estudante num universo acadêmico singular. De dia ou de noite, Madrid está sempre acordada para entreter seus moradores, turistas e estudantes de todo o mundo que a escolheram para ter uma experiência internacional única e rica!

Reflexões sobre Educação e Sociedade Contemporânea

As transformações sociais, políticas e econômicas vivenciadas no mundo contemporâneo estimulam uma reflexão profunda sobre os atuais processos educativos. No pensamento de Bauman, quando afirma ser imprescindível considerar que a sociedade passa por um período crítico de transição entre uma fase de estado “sólido”, que possui capacidade de resistência, para outra de estado “líquido”, fluido e móvel, é nítida a superficialidade das relações interpessoais que, cada vez mais, perdem robustez e fundamentos tradicionais de “projetos de vida”. A multiplicidade de paradigmas e visões de mundo são percebidas nos mais diversos métodos de ensino e sistemas educacionais, em todos os níveis de escolaridade, ao exporem valores, princípios e teorias díspares. Neste sentido, cumpre a todos os envolvidos no ambiente escolar (gestores, docentes, discentes, familiares e poder público) debater de forma eficiente e sistêmica o que é e para que serve a educação no seu contexto local e como o processo educativo em questão pode servir ao bem comum e à paz social, ainda que resulte numa ressignificação da relação escola-comunidade e professor-aluno.

Após o fim da segunda guerra mundial o panorama geopolítico global sofreu alterações nas relações entre Estados e na mobilidade entre indivíduos, favorecendo o intercâmbio de ideias e valores. É nítido que a sociedade contemporânea está ancorada em paradigmas geopolíticos, seja através da polarização Oriente – Ocidente, Europa – Estados Unidos, ou ainda na relação econômica entre Norte – Sul. Analisando de um ou de outro modo, os processos educativos em todo mundo merecem ser contextualizados em relação à historicidade, o contexto político e o seu parâmetro socioeconômico. Assim, torna-se equivocada e irresponsável a ilusória ideia de que é possível reproduzir modelos importados de realidades distantes. No entanto, algo é comum a toda a humanidade, que vivencia um contexto multicultural, multiétnico, multilinguístico, multireligioso, com diversas formas de pensamento e plataformas sociais, bem como antagônicas expressões políticas e econômicas. A criação de um ideal comum deve caminhar pelo estabelecimento de princípios basilares que considerem o ser humano pertencente à mesma categoria de ser, sem implicar assimilação ou imposição a outra forma de agir e pensar. Este deve ser o fundamento de qualquer sistema educacional, a saber, a consideração de que o ser humano é parte de uma comunidade global. Para tanto, de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em seu artigo 26, torna-se clara qual é a finalidade da educação ao dispor que

A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.

Considerando que a educação é um fato social polissêmico e dinâmico, assim como a cultura, deve ser analisada respeitando seu contexto, seja econômico, geográfico, político, social, entre outros, para desenvolver seu conteúdo e ter significado. Não obstante, também deve ser observada numa esfera micro-social, e até mesmo individual, pois traz consigo significados próprios e pessoais que variam de acordo com as vivências e aprendizados de cada sujeito parte de um grupo social. Em razão desta característica volúvel, a liberdade para desenhar os processos educativos revela o caráter subjetivo da construção do saber e do processo de aprendizagem.

Mas o que é educação? Como construí-la? De que modo transmiti-la? A educação é constituída através de dinâmicas formas de transmissão do conhecimento e métodos de ensino, seja no seu aspecto formal, não formal ou informal. O processo educativo deve ser inclusivo e responsável pela promoção da identidade, cidadania e do pertencimento do indivíduo na coletividade, tornando-o parte integrante do meio em que está inserido. Nesse ínterim, a escolarização deve ser fundada em ação restauradora e construtora de valores humanos, como a liberdade dos indivíduos. Contudo, em se tratando de uma ação humana, fruto da razão e da inevitável dialética – é o que se presume -, revela-se como um fenômeno superável e questionável, tal como é a ciência, erigindo-se como um dos principais debates da sociedade pós-moderna. Buscar alinhar as escolhas educativas às demandas da sociedade, bem como à democratização e à pacificação social, é a missão da escola contemporânea.

Os pilares a serem observados na construção de sistemas educacionais e métodos de ensino em todo o mundo devem, impreterivelmente, encontrar um limite ético internacional, os Direitos Humanos, que trazem em seu conjunto normativo a educação como direito social de todos os indivíduos, sem qualquer discriminação quanto a raça, cor, religião, condição social ou econômica, nacionalidade, ou qualquer outra distinção. Logo, a construção do saber e o modus operandi das dinâmicas de transmissão de conhecimento não podem, de acordo com as normativas internacionais, romper com direitos conquistados. As finalidades propostas devem encontrar sentido na valorização e respeito ao outro, solidificando a pacificação e a convivência harmônica entre indivíduos e povos.

A imparcialidade, num mundo cada vez mais polarizado, pluralizado e antagônico deve conservar-se em sua forma ética. Afinal, se é considerada como um instrumento de pacificação, socialização, progresso e desenvolvimento da humanidade, a educação deve ser elevada a uma categoria de máxima importância, pois torna possível, inclusive, a vida coletiva. Ressalte-se que a busca por uma harmoniosa convivência entre os indivíduos perpassa a sublimação do educando como sujeito principal do processo educativo. É pelo ser humano que tudo encontra sentido, afinal, num sentido poético-racionalista, o mundo existe por ele e para ele. Pois, o ser humano, ainda que considerado um ser político detentor de razão implícita à sua condição, é fruto do processo educativo a qual foi submetido.

É possível afirmar que a educação, assim como a pós-modernidade, está numa crise existencial? Fato é que há crise na fé, no progresso, na segurança das narrativas e nas ditas verdades absolutas. Como construir um modelo educativo num contexto plural? Não existindo mais os padrões e paradigmas que outrora eram definidores dos saberes, é possível manter uma escola ética que sirva a todos de forma imparcial? Sim! É necessário valer-se do rompimento da ideia de “fundamento único” e privilegiar a diversidade de saberes, pois não há em voga verdade absoluta. A visão que os indivíduos têm do mundo, não apenas da história, mas da realidade atual, das culturas, religiões, línguas, políticas etc., permite que a concepção da realidade, chamada de mundivisão, seja construída. Quer isto dizer que aquilo que somos, a forma como vivemos e interagimos é resultado dessa visão do mundo, em grande parte percebida na escola. Cada pessoa tem uma concepção do mundo e sua narrativa é coerente a esta, tornando-se o ambiente escolar um dos mais importantes, se não o mais, para a percepção e conhecimento da realidade.

Como afirmado, a escola tem o dever de promover a todos uma educação ética com base nos Direitos Humanos, o que é indispensável para a formação de cidadãos conscientes e participativos. Ademais, a educação desencadeia um efeito multiplicador não apenas em relação ao saber intelectual, mas também em relação a princípios e valores essenciais ao adequado desenvolvimento e progresso da sociedade. Retomar o modelo de educação liberal, a fim de recuperar as habilidades de pesquisa, a tradição dos textos e da literatura, e o desenvolvimento de empatia e inteligência emocional dos estudantes, é religar-se à ideia de um cidadão consciente e global, já tratado por Kant. Todos os níveis educacionais devem ser ambientes que emancipam, estimulantes e culturalmente ativos e democráticos para a adequada construção de saberes. Torna-se fundamental construir pontes entre as mais diversas formas de representação do mundo, modelos sociais, sistemas educativos e culturas, permitindo o diálogo entre os diversos saberes e interesses, como, por exemplo, o mercado e o ensino.

A solução, portanto, para uma escola democrática e contemporânea, passa pela adoção de um modelo intercultural, que afirma cada cultura ao mesmo tempo em que permite relações de troca, de complementariedade. É adequado, neste sentido, que o processo educativo não promova os ideais etnocentristas e hegemônicos, mas uma convivência com as diferenças de forma a respeitar o outro através de um relacionamento interpessoal dialético, com alteridade, empatia e partilha. É indispensável pensar em processos de aprendizagem que permitam e promovam a inclusão e a multiculturalidade, desde que pedagogicamente estruturados. Por fim, proporcionar a compreensão do mundo, da história e da realidade atual – culturas, religiões, línguas, políticas etc. -, amplia a mundivisão dos indivíduos e facilita as relações entre os diferentes, pois fomenta a tolerância baseada no respeito ao próximo e a ideia de cidadania cosmopolita. A escola, em qualquer parte do mundo, deve, assim, ser fidedigna ao ensino que considera a humanidade uma só, respeitando sua diversidade e promovendo o respeito e a convivência ética entre seus educandos.

 

Impressões acerca do acolhimento das universidade portuguesas a estudantes estrangeiros

Portugal está inscrito nos registros mundiais que tratam do início do ensino superior. Encontra-se na lista de países que possuem as universidades mais antigas – Universidade de Coimbra –  e que formaram personagens importantes durante as conquistas marítimas e exploratórias, desde o final do período medievo. Contudo, sua influência é mais perceptível nos países de língua portuguesa, por razões históricas. Atualmente, o país recebe um número crescente de turistas de todo o mundo, constituindo-se em um dos destinos mais comentados e visados. Em relação ao contexto universitário, o país, de acordo com dados oficiais de 2017¹, tem 286 estabelecimentos de ensino superior e 361.943 estudantes matriculados. A região de Lisboa, capital, é a que possui o maior número de instituições, cerca de 68. Destes, aproximadamente 42.500 são estrangeiros², maioria provenientes do Brasil. Este é um número expressivo a ser considerado e mostra-se relevante para o debate sobre o ensino superior no país, visto que o país mais recebe que envia universitários ao estrangeiro. Cabe, portanto, analisar como as instituições de ensino recebem estes estudantes. Existem programas de integração e acolhimento? As universidades oferecem condições satisfatórias de ensino e estão preparadas para aumentarem o número de intercambistas?

Parque nas Nações, Lisboa

Em visita a seis instituições de ensino superior no país, deparei-me com cenários distintos. Não há um modelo comum entre as instituições. De acordo com o contexto organizacional e administrativo de cada universidade, se centralizado ou descentralizado, o setor que trata da internacionalização pode estar vinculado à reitoria, à direção de cada curso, ou, até mesmo, à área administrativo-acadêmica, independente da natureza pública ou privada da universidade. Em geral, as páginas virtuais das instituições de ensino contém informações atualizadas acerca dos programas de mobilidade e dos respectivos trâmites, demonstrando um real interesse na divulgação de oferta de cursos e prazos para candidatura. Entretanto, as universidades devem estar conscientes e preparadas para as consequências advindas do aumento numérico de estudantes estrangeiros, pois há uma relação causa-efeito a ser considerada. Exemplificando, o alojamento, atualmente, já é um problema para muitos estudantes estrangeiros que chegam ao país em busca de residências acessíveis e próximas às universidades. A integração cultural e linguística, para os não falantes, também é um ponto a ser observado pelas universidades. É perceptível que as instituições desvencilham-se deste encargo porque existem associações de estudantes que atuam de forma constante junto aos estrangeiros, como a ESN – Erasmus Student Network. Em todas as universidades visitadas são realizados eventos de acolhimento no início de cada semestre letivo, momento em que os estudantes estrangeiros conhecem a estrutura física e administrativa e, quando há, são apresentados aos seus mentores ou padrinhos acadêmicos. Mas não basta apenas recebê-los, o que é natural em qualquer conduta minimamente humanizada para com um visitante, mas, igualmente, acompanhar o percurso do aluno durante o período da mobilidade com apoio psicológico, social, acadêmico e burocrático, quando necessários.

Nota-se que, de uma forma geral, as instituições visitadas têm um real interesse em aumentar o número de estudantes estrangeiros e estão cientes de que devem repensar algumas práticas e proporcionar melhores condições aos estudantes. Frise-se que estas instituições, em sua maioria, mostram-se preparadas para receberem estrangeiros, seja em relação à organização burocrática ou qualidade acadêmica. Contudo, é importante salientar que, independente dos programas de acolhimento e do dever de dispensar um trato digno e respeitoso ao intercambista, grande parte do sucesso e aprendizagem durante a mobilidade acadêmica é responsabilidade do próprio estudante. Decidir participar de um intercâmbio universitário exige comprometimento e disposição para viver uma nova vida num novo contexto. Isso também é parte da mobilidade!

 

¹https://www.pordata.pt/Tema/Municipios/Educa%C3%A7%C3%A3o-49

²https://www.publico.pt/2018/02/04/sociedade/noticia/mais-12-de-alunos-estrangeiros-em-portugal-1801533

Viajar estudando/Estudar viajando: um fenômeno global e irreversível

Com a intensificação do mercado educacional, a partir da década de 80 do século XX, houve um crescimento considerável de estudantes que participaram de experiências internacionais dentro do ambiente formal de ensino, destacadamente se observados os movimentos globais sul-norte e oriente-ocidente, que apontam, invariavelmente, para os territórios europeu e estadunidense como principais destinos. Percebe-se, contudo, que, diante do fortalecimento das relações e mercados internacionais e das novas redes de cooperação no âmbito educacional no espaço ibero-americano, tanto do setor privado quanto público, a mobilidade acadêmica, neste território, também tem tido um regular aumento do número de estudantes que participam de programas de intercâmbio estudantil, o que possibilita uma integração regional que fomenta a difusão e compreensão da história e atual geopolítica.

Universidade de Évora. Criada em 1559, foi um dos principais centros de formação acadêmica de estudantes de língua portuguesa nos séculos XVI, XVII e XVIII.

Considerada uma importante experiência para a aquisição de novos saberes, além de um relevante marco curricular na trajetória daqueles que participam, a mobilidade acadêmica internacional proporciona inegáveis contributos para o desenvolvimento pessoal e social do estudante. A interação e adaptação ao novo território escolar e peri-escolar permite que  o estudante reflita quanto à sua identidade, autenticidade e singularidade num ambiente diverso do seu, ao mesmo tempo que potencializa a ideia de que ele é parte de uma comunidade maior, contribuindo para a compreensão do que é cidadania global.

Ainda que os programas contemporâneos de mobilidade, como o Programa Erasmus – criado em 1987, tenham uma natureza consumerista e mercadológica, eles foram capazes de inaugurar um novo paradigma em relação aos processos educativos, pois abriram caminhos para novas reflexões, propostas e modelos de arranjo curricular e oferta de créditos. Ao permitir que o estudante assuma um papel de protagonista durante um período do seu curso, ainda que submetido a nova instituição, professores e às obrigações acadêmicas de praxe, a mobilidade incita uma sensação de ruptura em relação ao modelo de formação tradicional. É uma oportunidade ímpar para que o jovem adote uma postura madura e consciente em relação aos estudos e às suas responsabilidades, principalmente se compreender a importância da adoção de práticas autorreguladas para aprendizagem.

Por fim, salientando que o ensino e a educação são instrumentos para a promoção do respeito de direitos e liberdades com aplicação universal e efetiva, conforme aponta o preâmbulo da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), torna-se impreterível reconhecer que essas experiências acadêmicas internacionais são potenciais instrumentos para a promoção destes direitos, devendo ser, cada vez mais, aperfeiçoadas e seriamente organizadas e promovidas pelas instituições de ensino superior.

Mobilidade Acadêmica Universitária

O projeto tem como tema o progressivo e contemporâneo fenômeno da mobilidade acadêmica internacional, em nível de graduação, no contexto formal da educação em instituições de ensino superior, promovida e realizada no território ibero-americano, e sua relação como as experiências vivenciadas pela nova geração de estudantes, em que pese a compreensão e o significado dado aos Direitos Humanos, à percepção de um mundo globalizado e à ideia de cidadania global. A mobilidade acadêmica é um fenômeno universal presente em diversas áreas do conhecimento e sistemas educacionais e tem cada vez mais relevância no contexto universitário. Além de fortalecer alianças, institucionais e diplomáticas, a mobilidade incrementa o currículo acadêmico e profissional do estudante e pode proporcionar, através da vivência em um novo país, o alargamento da ideia da globalização, o desenvolvimento de competências multiculturais, a observação de novas representações do mundo, percepções sistêmicas e hermenêuticas da sociedade, o conhecimento histórico, geográfico, cultural e de novos saberes. Com o regular acréscimo quantitativo no número de estudantes que se deslocam dentro do território ibero-americano com a finalidade de estudo, torna-se urgente conhecer os programas vigentes e a qualidade destas experiências e como elas têm sido aproveitadas pelos estudantes da atualidade, não apenas no âmbito acadêmico, mas também social e político.